quinta-feira, 17 de abril de 2008

Etérea.




Etérea,

Em sonhos
Diante de ti
diante de mim
Orbitando espaços incandescentes
Corpo sutil envolto em luz que vem de ti
E se dela me ilumino clareio também o teu caminho
Por todas as minhas e nossas existências em mundos esquecidos
Trilho os caminhos das fadas nas longínquas civilizações adormecidas
E assim viajo galáxias em torno de mim e em torno de ti
Venho de uma imaginária e lendária era distante de mim
Pois há muito habitei os reinos das fadas em tempos célticos
Mas confesso que em todos os lugares sempre existi
Pois etérea estou e sempre serei
Anjo de ti
Anjo de mim.
[Autor Desconhecido]

Um comentário:

Carolina disse...

Olá, tudo bem???
Fiquei uns dias fora do espaço... Rsss... Mas voltei e postei uma poesia nova...
Adorei "Etérea"!!!
Bjos...